quarta-feira, 11 de outubro de 2017

As proezas do meu avô

Vô Bié e Ritinha sua mulher
Velho honesto e trabalhador...
Mas era ignorante igual seu Lunga
Zombava do curandeiro ao doutor
Fazia só o que bem lhe convinha
Na arte da teimosia era professor.


Quando comprou o primeiro carro
Foi um Jipe novo e bem arrumado
Ritinha pediu pra ele ir devagar,
Mas, vô Bié saiu correndo desenfreado
E disse: pneu redondo é pra correr Mulher!
Se fosse pra galopear ele seria quadrado.

Ritinha ainda pediu que ele parasse
Ele disse: pare você de me perturbar!
Será que daqui pra chegar em casa,
Eu não aprendo a esta peste frear?
Na ladeira quis frear, mas acelerou...
Saíram ilesos, viram o carro se espatifar.

Um dia o vô Bié se pendurou numa corda
Ritinha disse: Bié, Bié? Tu vai cair daí!
Ele disse: Deixa de ser besta mulher!
E soltou uma mão dizendo: Olha aí?!
Oh! Faz até dó, mas eu vou contar
Não deu tempo de Ritinha acudir.

 E nem tinha mesmo como evitar.
O velhinho esparramou-se no chão
Em cima de uma espiga de milho
Quebrou três costelas na ocasião
E ainda disse: Foi agouro de Ritinha!
Praga de mulher pega. É uma maldição!

Quando recuperou-se disse: Viu?
Não morro nem de barroada de trem!
Faço só o que quero. Eu sou eu!
Pra viver não peço opinião de ninguém!
Ritinha?! Você mesma é que se cuide
Se quiser ver-me completar meus cem!

Mas um dia vô Bié inchou os pés
Ritinha levou-o na marra pra o hospital
Lá os médicos amputaram-lhe as pernas
Bié disse: Viste? Médico é bicho mal.
Se tivessem me deixado em casa
Teria sarado só com água morna e sal.

Daí pra frente a vida virou sofrimento
Final triste, para meu velho guerreiro,
Apesar de tudo ele era boa pessoa
Seus últimos anos foram um pesadelo
Até hoje quando lembro lamento...
Devias ter vivido mais! Vôzim presepeiro.

    Lusa Silva in memoriam ao meu avô Gabriel Alves, vulgo Bié.
 Veja as fotos👉Aqui


15 comentários:

  1. Verdade amiga Patricia obrigada pela visita e pelo comentário.

    ResponderExcluir
  2. Lusa Silva, amiga, professora e grande poetisa nordestina paraibana da gema kkkkkk, que fez de Maraba sua terra de encanto buscando conhecimento e compartilhando com todos essa dádiva preciosa que Deus tem te agraciado. Que vc continue assim humilde, sincera, amiga e sobretudo neste entusiasmo de poetisa que essa é a sua praia bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Minha amiga. Você falou tudo e com muito conhecimento e sabedoria a respeito de minha trajetora de vida. 💑

      Excluir
  3. Lusa Silva. Quando te conheci foi surpreendente, depois de longos papos pude ver o ser humano que vc é. Te curto, te gosto e sempre torço por você. Depois de Maria Bonita e Lampião, as portas se abriram para o mundo dos Cordéis. E Cordéis de Lusinete.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada amiga Carmelita você mora no meu💓. Quero dizer que só tenho a agradecer o apoio de vocês, pois sem este apoio, esta força, nada disto teria acontecido.😘

      Excluir
  4. A poesia em Maraba está de parabéns. Com Lusa Silva poetisa que não perde pra ninguém. Se tirar os cordeis de Lusinete da poesia de Maraba, as outras vao ficar de pernas pro ar.
    Hum, já fiz até uma quadrinha pra você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei das rimas e quem sabe em breve terá um Duelo entre Lusa silva e Carmelita 👯

      Excluir
  5. Memórias que fazem historias, lindaaas!Engraçadas cheias de verdades e de sabedoria! Valeu muito! Parabéns Lusa!👏👏👏👏

    ResponderExcluir
  6. Muitíssimo obrigada minha admirável amiga Eurlene 😚👭

    ResponderExcluir
  7. O velho era duro na queda. Tinha o vigia de um jovem. Um belo poema.

    ResponderExcluir
  8. Paraibano arretado meu bisavô bié... parabéns tia pelo cordel que mostra nossas origens! Elineth aqui��

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade minha sobrinha meu avô era retiro, marcou e ficou gravado em nossa memória.

      Excluir

As proezas do meu avô

Vô Bié e Ritinha sua mulher Velho honesto e trabalhador... Mas era ignorante igual seu  Lunga Zombava do curandeiro ao doutor Faz...