terça-feira, 28 de novembro de 2017

Meus Rios meus suplícios

Não tenho mais coragem
Nem de ti me aproximar,
Até entro em desespero
Quando paro pra pensar,
Sem poder fazer mais nada
Fico triste e angustiada
Com os olhos a lagrimar.

Eu também fui omissa!
Vi toda devastação
Observei tudo calada,
Sem atitude, se ação
Quando devia ter gritado,
Batido ou até apanhando
Clamando por atenção.

Aqui no meu julgamento
Condeno-me e viro réu
Cheia de culpa, e calada
E se olho para os lados
Vejo um milhão de culpados
Provando o gosto do fel.

Sei que agora não dá mais
Para procurar um culpado
E em minha sã consciência
Sinto o quanto é complicado
Após tanta devastação
Pensar em recuperação,
quando o fim, foi anunciado.



Lusa Silva 25/10/2017

As proezas do meu avô

Vô Bié e Ritinha sua mulher Velho honesto e trabalhador... Mas era ignorante igual seu  Lunga Zombava do curandeiro ao doutor Faz...