Quem sou


Eu sou uma nordestina
Das Terras do lampião.

No final do cangaço,

Mudei-me pro Maranhão.

Não nego minhas origens.

Sou Marabaense de coração.


E nem queiram me perguntar,

O que mais gosto de fazer.

Gosto de embalar numa rede.

Com um bom livro pra ler.

Com muita grana na conta

E pouca coisa pra fazer.


Sim, e ainda tem mais

Ir ao banco só pra sacar.

Dormir bem despreocupada...

Sem ter hora pra acordar.

Ver sempre o por do sol,

Sentindo o cheiro do mar.


Ah! E não fiquem pensando,

Que eu sou de brincadeira.

Não sou mesmo! Me aguardem!

E agora, que virei blogueira?

Quem me seguir vai ver

Do mar saindo faísca e poeira...


Porque sou das Terras

Do cangaço e do forró

Gosto de D+ do Pará

Do açaí e do carimbó

As vezes faço cordel

Iguaizinhos os de Brogodó.



Veja também 👉 Biografia



Cordelilando

Aqui tudo será em Cordel,
De já quero avisar vocês!
Quem gostar desse gênero,
Vai virar meu freguês.
Os temas serão variados,
O idioma será Português.

O cordel em sala de aula,
É uma grande riqueza
As rimas cativa os alunos
O professor com sua sutileza
Desperta logo a atenção deles,
Daí, dar aula vira  moleza.

Os aluno logo começam
A gosta mais de literatura.
Também ficam motivados
Pela escrita e  pela leitura
E logo passa a valorizar
As riquezas dessa cultura.

Usem todos os recursos,
As rimas e as repetições.
Vejam que fonema e som
E o mesmo que aliteração
E que num pisca de olho
Já sai pronto um refrão.

O cordel é interdisciplinar,
Porque os temas são variados.
Dá pra trabalhar gramática,
De um jeito diversificado.
É uma metodologia simples,
Que só dá bons resultados.

Este Blog está prontinho
E se alguém interessar,
Visite e fique bem a vontade
Tanto pra ler quanto pra linkar 
Garanto comigo deu  certo.
Só resta você experimentar!


Autora: Lusa  Silva


3 comentários:

  1. Parabéns pelos poemas e por ter criado esse espaço para divulgação.
    Que tenha muita criatividade e sucesso!
    Gilcacia

    ResponderExcluir
  2. Arri égua dona Luzinete.

    ResponderExcluir

As proezas do meu avô

Seu Bié e dona Ritinha sua mulher Um velhinho honesto e trabalhador Mas era ignorante igual seu  Lunga Zombava do curandeiro ao dou...